NOB?

Conversava com o Gabriel sobre e ele, pimposão, descolado, pergunta: – “Que é NOB?”

Expliquei. Disse algo muito parecido com o que se encontra no heresia loira e no Yahoo. As duas definições são próximas.

– “Deve ser chato pra danar, isso aí,” foi a resposta dele. Concordei. Pretendíamos mudar de assunto, mas tergiversamos: NOB não é NOB.

Explicaria em uma palavra: misnamer. Vamos a outro ponto antes de chegar a isso. Noutro dia eu escrevi uma entrada em que indicava uma possível definição de ciência. Existem muitas. Definições brotam em galhos.

Não é de espantar a quantidade de definições que mudaram com o tempo. Isso acontece muito, principalmente no meio científico. No dia-a-dia, porém, tudo se confunde, o nome com a coisa em si (se algum filósofo ler isso, provavelmente vai querer me chutar as nádegas).

Uma possível definição…

NOB não pode ser NOB, porque quem vai a NOB não é nerd; estão mais pra geeks. A distinção parece pouca, mas é importante. A esmagadora maioria dos nerds é geek, mas não se pode alterar os fatores, pra não escrever bobagem: a maioria dos geeks não é nerd. Os freqüentadores deste tipo de evento são bem descritos nos links já citados: o nerd deles é sinônimo de blogueiro, twitteiro, interneteiro e viciados em tecnologia.

Na minha época de escola,ainda nos anos 90, tecnologia era coisa de outro mundo, coisa que não se conseguia nem por contrabando. Então, nerd era qualquer um deslocado de um grupo pop (com boas notas, preferencialmente), que não se adaptasse ao estereótipo juvenil de quem sai todo sábado, fumava um cigarrinho pra passar pela fila da balada e implorava por bitoquinhas quaisquer só pra não voltar pra casa no zero a zero. Jogar RPG, ler e tirar boas notas, isso só reforçava o estereótipo; nunca foi condição sine qua non pra que alguém fosse denominado nerd. Na guerra adolescente, entretanto, qualquer dessas características é, por si só, suficiente, numa lógica que se aplicada ao mundo natural trará deduções como “tem rabo, então é cachorro”.

Certo.

Pra qualquer balada, o segredo do sucesso

Pra qualquer balada, o segredo do sucesso

Nerd é outra coisa, ainda, tem outra definição. O rótulo colocado na adolescência não é adequado só porque os outros o entoam e usam como desculpa pra não conhecerem tudo que é diferente. Minorias acabaram por se unir: quem escreve corretamente, quem gosta de brincar com gadgets e quem gosta de trabalhar com os mesmos, quem cria tendências, mesmo quando não liga a mínima se fez ou não; ser nerd é ser bacanudo, cool. O rótulo de Steve Jobs e Bill Gates é desejado. Não ter relação alguma com o que eles fazem não é importante; fazer parte do grupo é suficiente. Tenho rabo, logo sou um cachorro.

Daí o misnamer. Como já disse, em ciências, acontece o tempo todo. Plutão foi o nono planeta do sistema solar por décadas. Em 2006 a União Astronômica Internacional, ante novos objetos que foram encontrados orbitando o Sol, resolveu criar uma categoria diferente de planeta: os planetas anões ou plutóides. Ante essa redefinição, o sistema solar não terá dez ou doze planetas. Plutão continua a ser o mesmo objeto, classificado de outro jeito. Existem, hoje, diferentes maneiras de classificar o companheiro de Caronte (falei muito rapidamente sobre isso aqui). Pode não ser o melhor exemplo, então vou a outro: léptons. O termo tem origem grega e deveria designar partículas com massa muito pequena, dentre outras características bastante específicas. Não se contava, entretanto, que fossem descobertas novas partículas com as mesmas propriedades físicas mas com massas muitas vezes maiores que aquelas pra quem o nome lépton fora originalmente escolhido a dedo. Pois bem, nesse caso o nome ficou e a definição foi torcida pra acomodar as novidades experimentais.

Para o participante de NOB a pretensão, acidental ou não, é dilatar a definição de nerd pra encaixar tribos não muito bem classificadas. Existem tribos e todas querem ser idênticas, respeitadas suas respectivas zonas autônomas. Ninguém mais admite ser faixa púrpura em túnica completamente branca, dando graça e beleza a tudo mais, tal qual Epiteto, em seus Discursos. Prega-se mais do mesmo.

É. NOBs são GOBs. Ainda. Com muita condescendência.

Comments
3 Responses to “NOB?”
  1. McFly disse:

    Há quem pense como eu, vejam só. Publiquei algo aqui (http://cacarecos.tumblr.com/post/106983866/theduty-langer-regarding-this-and-this) apontando outros que divergem dos nossos pseudo-nerds.

  2. Felipe disse:

    Obrigado pelo texto.

  3. Relacionando essas duas formas em sua conjun ão com o fascismo, chega se ao filme Arquitetura da destrui ão de Peter Cohen 1992 .

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • RSS Ouvindo?

    • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • RSS Curiosidades

    • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
%d blogueiros gostam disto: