De revoltibus uspianus…

A Reitoria esta livre! Viva a Reitoria Livre! Os tanques americanos desfilam pelas ruas do campus da USP-Capital saudados por uma multidão delirante agitando freneticamente bandeirinhas do estado de São Paulo e da Polícia Militar. Aclamado por dez milhões de vozes, o reitor sobe em um palanque improvisado e declama as palavras longamente ensaiadas na … Continue lendo

Falácias no discurso do universitário transgressor

Venho escrevendo há algum tempo e não tenho lá muitos leitores. Os números, claro, podem contar (e muito) exatamente como acontece com a chamada grande mídia. Apesar de conhecer a relação que pode ser criada a partir do número referente à visitação, ainda prefiro o conteúdo à quantidade de leitores e, levando isso em conta, … Continue lendo

Fragilidade

A posição do artista é frágil. Precisa viver, comer, viver, viver e comer. Não, não precisa: se ele não vive e come, não produz arte. Produzir. Fazer arte. Produzir é fazer, fazer é produzir. Importa a escala da produção? E se a escala da produção estiver ligada diretamente a uma linha filosófica? Ses. O teatro … Continue lendo

Quadrinhos, traduções, política e os argumentos esquisitos

Andou rolando uma pequena polêmica esses dias, pelo twitter; quando dei por mim, já estava a ler sobre no blog Melhores do Mundo (MDM) – a entrada parece ser bem completa –. O fato é que andaram a reclamar de uma tradução feita na revista Batman 98, publicada no Brasil pela editora Panini. Não entro … Continue lendo

Escrita, de leite

Há graça no processo de vasculhar-nos a nós mesmos por momento, aquele, em que somos arrebatados por uma experiência; ao final do jogo, encontra-se não somente uma experiência, tão fundadora quanto possivelmente seja – e não identificada –, mas a experiência, ponto de transformação. Inventados ou não por Shakespeare, nossas dimensões se manifestam no espaço, … Continue lendo

Crepúsculo? Ainda não li. Me convence?

Acabei de passar pelo The Daily What e me deparar com uma resenha feita sobre o livro Crepúsculo, de Stephenie Meyer. Não li nada escrito por Meyer – não foi falta de oportunidade, não: compra-se livros seus em espanhol ou inglês a menos de R$10,00 aqui, no centro de São Paulo -, deixei a fase … Continue lendo

A curiosidade e o Thundercat

Quando criança sempre acabamos ouvindo ditados que devem, a princípio, traduzir alguma forma de sabedoria, seja ela popular ou não. Essas pérolas são geralmente distribuídas pelos avós que, zelosos pela construção do caráter de seus netinhos, pontuam seus discursos com infinitas citações para nos ajudar mais tarde na vida. Algumas funcionam sempre (O diabo tanto … Continue lendo

Moleskine, O caderno.

Tenho conversado com o Gabriel ultimamente, jogamos bafo com blogs e assuntos correlatos. Temos um acordo muito bem definido: ele tenta me ensinar algo e eu teimo em não aprender (de vez em quando eu violo essa regra e aprendo em passos de elefantinho). Numa dessas conversas ele me passou o link de um dos … Continue lendo

  • RSS Ouvindo?

    • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • RSS Curiosidades

    • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.